prototipação

protótipos e comunicação

Um protótipo é, acima de tudo, uma ferramenta de comunicação. É através do protótipo que informamos nossas ideias, apresentamos a terceiros nossas hipóteses e ouvimos suas críticas e sugestões.

Entender protótipos nessa perspectiva é fundamental para desenhar um plano de prototipação que auxilie o processo de tomada de decisão na transição de hipóteses para soluções.

O ciclo de prototipação é na verdade um ciclo de comunicação. Criadores descrevem suas hipóteses em protótipos para serem validadas por pessoas de diferentes perfis. Nesse modelo de prototipação comunicacional não cabe isolar de um lado o time de inovação e do outro os usuários, todos, em momentos diferentes são criadores e validadores. O retorno também é parte do protótipo.

Para uma prototipação efetiva é importante um desenho comunicacional de via dupla, onde todos possam se colocar, sugerir, criticar.

prototipação incremental

protótipos e fidelidade

Uma prototipação é por natureza um processo incremental, evolutivo. Nos modelos mais formais de prototipação essa evolução é marcada por quatro fases de maturidade dos protótipos.

Na primeira fase, ainda estamos discutindo o conceito, a hipótese ainda é abstrata e deve ser debatida antes mesmo de ter forma. Aqui é onde os criadores perguntam aos validadores se a hipótese faz sentido. Para refutá-la antes mesmo do esforço de dar forma ou para ajustá-la e evitar o retrabalho.

A fase seguinte de evolução do protótipo é baseada em esboços de baixa fidelidade da forma. Nesse estágio é importante manter um nível de simplicidade nos protótipos que permita uma colaboração intensa entre criadores e validadores.

Na medida em que a hipótese vai sendo validada, a sua representação precisa se aproximar da solução para que novas considerações possam ser testadas e amadurecidas. Esta fase de protótipos de média fidelidade é fundamental para verificar, por exemplo, o entendimento de micro funcionalidades da solução.

Na fase mais madura da prototipação a forma já se aproxima com alta fidelidade da solução para dar aos criadores e validadores experiências similares aquelas previstas para a solução final.

prototipação iterativa

protótipos e experiências

O ciclo de prototipação pode ser apresentado como um conjunto de iterações, pontos efetivos de trocas de experiências entre criadores e validadores.

Cada conjunto de iterações demanda ações explíticas de produção de protótipos e de troca entre as pessoas envolvidas [criadores e validadores].

O tempo e a intensidade dessas iterações varia de acordo com o grau de maturidade do ciclo de prototipação. Protótipos em estágio mais avançado podem demandar tempos mais longos e maior número de momentos de troca.

Os ciclos de prototipação podem [e devem] se repetir por diversas vezes como consequencia natural das iterações realizadas.

Por exemplo, é possível ao final de uma iteração em um protótipo de alta fidelidade se perceber a necessidade de construir novos protótipos de baixa fidelidade para validar partes da hipótese que está sendo testada ou para se testar uma hipótese alternativa que emergiu dessas trocas e não havia sido levantada em momentos anteriores da jornada de transformação [digital] estragégica.

Este texto foi escrito pelos professores Silvio Meira e André Neves.

A tds.company é a casa de strateegia, uma teoria da prática para transformação estratégica, sobre a qual escrevemos uma frase longa, ilustrada, que está disponível em pdf, no link https://bit.ly/TDSCsat. O nosso trabalho de habilitação estratégica é feito sobre uma plataforma digital que pode ser testada gratuitamente no link https://strateegia.digital.

Photo by Sigmund on Unsplash